REINTEGRAÇÃO DE POSSE DA ACCATRAN

 

DESOCUPAÇÃO:

Em cumprimento ao mandado de reintegração de posse, na manhã de ontem (13/11), a Tropa de Choque da PM de Campo Grande e Cavalaria, juntamente com a Polícia Rodoviária Federal, Corpo de Bombeiros, Secretaria de Saúde com ambulâncias, estiveram na ACCATRAN promovendo o ato.

O cumprimento do ato ocorreu de forma pacifica, sem alterações, já que os denominados invasores desocuparam a área, sendo que o Oficial de Justiça reintegrou na posse o requerente Sadi de Ávila Ferraz.

A ação de reintegração de posse, proposta em novembro de 2017, teve liminar deferida pelo juízo da comarca de Nioaque em duas oportunidades, sendo essa confirmada através de sentença datada de junho/2018,  que somente  aguardava seu cumprimento.

 

Conforme a liminar aqui registrada, a demora pela desocupação se deu pelo fato de que qualquer reintegração de posse no estado de MS deve preceder de uma autorização do Conselho Estadual de Intermediação de Conflitos Sociais e Situação de Risco, que reuniu-se com o Secretário de Estado de Segurança Pública, Dr. Antonio Carlos Videira,  representante da ACCATRAN, representante da prefeitura municipal de Nioaque, representante da Secretaria de Governo de Gestão Estratégica, Procurador do Estado/SEJUSP/MS, Superintendente de Inteligência da SEJUSP, representante do Tribunal de Justiça, Comandante do Batalhão de Choque da PM/ MS, representante da Assembleia Legislativa, representante da SEDHAST, representante da Defensoria Pública do Estado, Chefe do Gabinete da SEJUSP/MS, e Superintendente de Segurança Pública e Política Penitenciarias da SEJUSP/MS.

 

 

Após debate e esclarecimentos, foi  apresentado o plano de desocupação, sendo este aprovado por unanimidade do conselho, conforme cópia da ata aqui registrada.

 

Diante das provas, verifica-se a legalidade do ato, contestando as alegações dos líderes da invasão na ACCATRAN.

“Colaboração e informação Dr. Herberth Lima”

 

 

Ocupação da ACCATRAN 

Matéria retirada de rede social/Outubro de 2017

“Cerca de cem famílias ocuparam no início da semana passada, a área de terra destinada ao antigo clube de criadores de cavalos ACCATRAN que se encontra em completo estado de abandono depois da proibição de vendas de bebidas alcoólicas, próximo as rodovias, e interditado pelo Corpo de Bombeiros devido  à falta de segurança existente no local.

Nioaque apresenta uma demanda enorme de moradias para a população e esse fato tem se tornado motivo de diversas ocupações de áreas devolutas por pessoas que buscam sair do aluguel caríssimo, devido ao alto índice de migrantes de outras localidades para trabalhar na cidade.

Segundos alguns ocupantes da área, o movimento dos sem tetos é oriundo em sua maioria da ocupação realizada há dois anos no Jóquei Clube, em uma área municipal de onde estes foram despejados. Disseram ainda, serem sabedores das irregularidades documentais existente na área atual e que estão dispostos a permanecer no local a fim de estabelecerem um endereço definitivo para suas famílias.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A polícia esteve no local e conversou com alguns ocupantes que explicaram a motivação da ocupação, alegando que reivindicam, de forma pacífica, um espaço para morar e sair do aluguel.”

 

 

Fonte e fotos da notícia: Cícero de Souza

 

Histórico da ACCATRAN

A Associação de Criadores de Cavalos de Trabalho de Nioaque, nascida no ano de 1989, teve sua fundação pela necessidade dos  criadores de cavalos de trabalho ter um espaço onde pudessem realizar suas atividades esportivas de laço curto e comprido,  e associar-se com os demais em épocas de festividades.

Sua criação teve início com participação de alguns profissionais no agronegócio, e sua primeira reunião para oficializar a criação da associação aconteceu em  14 de julho do ano de 89, no Salão Paroquial da cidade.

Seu primeiro presidente foi  Don Leroy Morrison, que já fazia festas de Laço Curto em seu Haras Santon, agregando  os agropecuaristas e convidados, mais tarde tornando-se Presidente de Honra, Presidente Remido.

 

 

 

 

 

O terreno onde localiza o Clube foi adquirido em parceria com o Poder Público Municipal, o então prefeito da época Dr. Anastácio Martins Coronel, através de Projeto de Lei aprovado pelo Poder Legislativo fez doação do terreno, e alguns integrantes da associação pagaram a construção e estruturação do espaço.

Muitas festas foram realizadas no clube, não somente da associação como de particulares, eis que a sua diretoria alugava o espaço.

O próprio Nioaqueonline realizou 4 edições da feijoada do site no clube, vez que o espaço era adequado para tamanha festa.

Com o passar dos anos, o Clube foi perdendo seu brilho pela falta de manutenção, levando à invasão de sem tetos, conforme noticiada através do Jornalista Cícero de Souza, em sua rede social, no inicio de outubro de 2017.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *