Nioaque foi beneficiada

Por qualidade, governo entrega resfriadores de leite a produtores

Kleber Clajus
Equipamentos foram adquiridos por intermédio de emendas federais e contrapartida do Estado (Foto: Kleber Clajus)Equipamentos foram adquiridos por intermédio de emendas federais e contrapartida do Estado (Foto: Kleber Clajus)

Resfriadores de leite entregues pelo governo estadual, nesta segunda-feira (13), tem por objetivo assegurar a qualidade do produto em 24 municípios de Mato Grosso do Sul. O investimento soma R$ 511 mil, estando tratores e cascalhadeiras em licitação.

Ao todo são 26 equipamentos adquiridos por emendas da bancada federal junto ao MAPA (Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e a CEF (Caixa Econômica Federal).

“Com essa entrega a gente totaliza 87 resfriadores que servem ao pequeno produtor para fazer estoque de leite com qualidade até levar aos latícinios”, disse o governador Reinaldo Azambujam durante evento no Centro de Pesquisa e Capacitação da Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural), em Campo Grande.

Foram contempladas as cidades de Nova Andradina, Anaurilândia, Aquidauana, Brasilândia, Glória de Dourados, Ivinhema, Naviraí, Nioaque, Paranaíba, Rio Verde, Santa Rita do Pardo, Alcinopólis, Angélica, Bandeirantes, Bataguassu, Camapuã, Cassilândia, Deodápolis, Juti, Figueirão, Mundo Novo, Paranhos, Três Lagoas e Chapadão do Sul.

Dos resfriadores entregues 11 podem armazenar mil litros de leite, enquanto outros 15 tem capacidade de dois mil litros. Somente Chapadão do Sul recebe dois equipamentos.

Desafio – Para o diretor-presidente da Agraer, Enelvo Felini, o principal desafio do setor consiste em aumentar a demanda de consumo de leite no Estado, hoje em 100 litros/ano, para que haja melhora do valor pago ao produtor e possibilite a reabertura de 20 laticínios.

O investimento em tecnologias de produção, conforme o secretário de Desenvolvimento Econômico Jaime Verruck, já tem possibilitado ao setor reorganiza-se e o governo avalia estratégias do que fazer com o excedente de leite produzido sem perda de competitividade em um mercado que ainda pouco consome o produto.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *