Com ajustes do governo, agro sofre corte de R$ 1,1 bilhão

Com ajustes do governo, agro sofre corte de R$ 1,1 bilhão

O agronegócio não escapou dos cortes promovidos pelo governo federal.

O pacote de medidas anunciado em Brasília pelos ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e Planejamento, Nelson Barbosa, no início da noite desta segunda-feira (14/9), inclui redução de subsídios destinados a programas de garantias de preços agrícolas, que devem gerar um impacto de R$ 1,1 bilhão. Ao todo, o governo pretende deixar de gastar R$ 26 bilhões do Orçamento previsto para 2016. O plano para reequilibrar as contas inclui ainda o retorno da CPFM, de 0,20%, além da suspensão de concursos públicos, redução de programas sociais, como o Minha Casa Minha Vida, entre outros.

A redução de subsídios para o agronegócio tende afetar principalmente produtores de alimentos que dependem mais do mercado interno que das exportações, avalia o economista Flávio França Junior. Produtos como arroz, feijão, trigo e milho estão entre os que mais demandam recursos públicos para sustentação dos preços. “Neste momento, o câmbio está empurrando as cotações para cima. Mas os mercados de alguns grãos são muito voláteis. Essa notícia é extremamente ruim no aspecto psicológico do setor, que agora não poderá contar com ajudar governamental em caso de problemas no mercado”, afirma.

Normalmente, quando os preços de grãos, frutas e outros produtos caem significativamente, o governo intercede, geralmente em leilões, para melhorar a liquidez no mercado e garantir preços suficientes para ao menos cobrir os custos dos produtores.

Para Júnior, o agronegócio também será impactado pelo rebaixamento da nota de crédito para investimentos, promovido pela agência internacional Standard & Poor´s na última semana. “Parte do dinheiro de capital especulativo vai sair e consequentemente teremos alta do dólar, o que traz inflação, aumento de custos. Além disso, encarece os empréstimos com juros altos. Isso que o setor já está apanhando com escassez e encarecimento do crédito. Essa nova situação vai tornar o cenário ainda pior”, diz.

O anúncio do governo mexeu imediatamente com o mercado financeiro nesta segunda-feira. O índice Ibovespa fechou o pregão com alta de 2%. As medidas são entendidas pelos investidores como maneira de tentar reverter a situação de déficit orçamentário, dando ao mercado menos insegurança. O dólar também reagiu e teve a maior queda no mês, fechando a R$ 3,81.

Nove medidas contra o déficit orçamentário

Ao todo, o governo aposta em nove itens para reequilibrar despesas e receita até o próximo ano. Confira a lista.

1) Adiamento de reajuste dos servidores públicos: R$ 7 bilhões

2) Suspensão de concursos públicos: 1,5 bilhão

3) Fim do abono de permanência: R$ 1,2 bilhão

4) Garantia de teto remuneratório do serviço público: R$ 800 milhões

5) Redução do gasto com despesas administrativas: R$ 2 bilhões

6) Mudança de fonte do PAC – Minha Casa Minha Vida: R$ 4,8 bilhões

7) Mudança de fonte do PAC – além do Minha Casa Minha Vida: R$ 3,8

8) Cumprir o gasto institucional com saúde: R$ 3,8 bilhões

9) Revisão de gasto com subvenção agrícola: R$ 1,1 bilhão

Fonte: Portal do Agronegócio

FONTE LINK:
Com ajustes do governo, agro sofre corte de R$ 1,1 bilhão




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *