Aprenda gestão lean com o filme " perdido em marte"

Aprenda gestão lean com o filme " perdido em marte"

O LONGA DIRIGIDO POR RIDLEY SCOTT PODE LEVAR A REFLEXÕES SOBRE O TRABALHO E AS EMPRESAS

Muito se pode aprender sobre a gestão empresarial através do cinema. São dezenas de filmes que retratam elementos da vida corporativa ou representam líderes empresariais em ação, por exemplo, o novo filme falando sobre Steve Jobs.

Por meio de filmes de ficção científica também se pode aprender muito sobre conceitos e práticas de gestão. É o caso do recém-lançado “Perdido em Marte” (“The Martian”), do diretor Ridley Scott, responsável por outras obras-primas da ficção científica, como “Blade Runner” e “Alien”.

Nesse filme, podemos enxergar uma abordagem sobre administração que nos lembra diversos aspectos da gestão lean.

A história trata de um astronauta deixado para trás em Marte quando uma tempestade se inicia. Pensando que o astronauta estaria morto, a tripulação vai embora rapidamente tentando salvar suas vidas.

Recuperando-se dos ferimentos pouco a pouco, o “marciano” vai resolvendo problemas, um após o outro, procurando sobreviver em um ambiente extraordinariamente hostil para poder regressar à Terra.

Nessa difícil jornada, com muitas incertezas, percalços e obstáculos, vários elementos do sistema lean de gestão entram em cena.

Primeiro, um dos elementos essenciais do lean é um dos eixos condutores do filme – a solução de problemas utilizando o método científico.

Um a um, desde desenvolver alternativas para a geração de água e comida, restabelecer comunicações com a Terra e com a nave que estava trazendo de volta a tripulação que o abandonara em Marte, até definir e executar um plano para regressar.

Presença constante nesse esforço foi a criação de múltiplas alternativas em cada processo decisório. Havia sempre uma hipótese “pessimista”, bem ao estilo lean: “e se tudo der errado, o que fazer?”. Ou seja, estar preparado para o pior, para quando as coisas derem errado, permite uma solução pronta e mais eficaz. Esse pensamento foi fundamental em vários momentos.

Foram fundamentais a disciplina e o comportamento padronizado do personagem principal. Outro elemento importante foi o uso extenso da gestão visual de modo a facilitar a vida do “marciano”.

Outros ambientes em que a trama ocorria foram a NASA, um centro de pesquisa na Califórnia e a nave que havia saído de Marte e estava em seu caminho de volta. Foram mostradas tomadas de decisão em conjunto, pessoas assumindo a responsabilidade e tomando a iniciativa, decisões por consenso ouvindo a todos.

Assim como foi apresentada a ideia de que a irrelevância de usar a autoridade e o poder para tomar decisões quando a mentalidade burocrática de um chefe autoritário é ridicularizada.

A cooperação com a China, astronautas de vários países e origens étnicas, com sobrenomes e sotaques representando várias culturas, um negro liderando a operação de resgate, tudo apontando para um mundo diverso de cooperação e confiança mútuas.

Vale a pena ver essa produção extraordinariamente bem feita, visualmente atraente, tanto ao mostrar a paisagem colorida e sombria de Marte, até as estonteantes e eletrizantes cenas de ação produzidas com requintado esmero. Com atores excelentes e ótima direção.

O filme prende a atenção, há vários ângulos científicos adicionais e, como todo bom filme, pode ser visto sobre várias óticas.

Aproveite e veja esse filme sob a perspectiva de alguns dos princípios da gestão lean. Antes de mais nada, você se divertirá. E também poderá captar elementos interessantes para refletir sobre gestão.

PS. A televisão também pode ensinar sobre gestão. Veja artigo de Daniel Bonfim, da Kimberly Clark, “Chefe secreto e as empresas lean” falando sobre o quadro “Chefe Secreto” do Fantástico.

Fonte: Época Negócios

FONTE LINK:
Aprenda gestão lean com o filme " perdido em marte"




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *